Provando o melhor café do mundo em Salento, Colômbia

O sabor único do café colombiano atrai turistas de todo mundo para o Eixo Cafeeiro de Quindío, Caldas e Risaralda.

Como bom cafeinômano que sou, precisei ir lá conferir.

Há certas coisas que não se discutem, uma delas é a qualidade do café colombiano. Podemos, nós brasileiros, orgulhar-nos de sermos os maiores produtores mundiais, mas o título de melhor café fica com nosso simpático vizinho.

O Eixo Cafeeiro

Como em qualquer cultivo, o plantio de café exige algumas características específicas do terreno em que é plantado. No chamado Triângulo do Café – região que compreende os departamentos colombianos de Caldas, Risaralda e Quindío – elas são ideais.

O clima varia entre 8 graus Celsius negativos e 29 positivos, a vegetação nativa é de bosque tropical andino e a altitude varia de 800 a 1.800 metros sobre o nível do mar. Combinadas, tais condições resultam em café de alta qualidade, com períodos de colheita relativamente curtos. Os camponeses da região desenvolveram, ademais, técnicas de cultivo e processamento “grão por grão”. Apesar da industrialização agrícola massiva, seus conceitos básicos foram mantidos até os dias de hoje.

Em 2011, a UNESCO reconheceu a Paisagem Cultural do Café da Colômbia como um Patrimônio da Humanidade.

Salento: um lindo povoado no coração cafeeiro da Colômbia

Muitas localidades no Eixo Cafeeiro atraem os turistas estrangeiros. Dentre elas, optei por visitar a pequena Salento por dois motivos: está localizada próxima do belo Vale de Cocora e é bastante tranquila para percorrer a pé. Outras opções para usar como base seriam Manizales (capital de Caldas), Pereira (capital de Risaralda), Armenia (capital de Quindío), ou povoados menores das proximidades.

Acredito que a escolha tenha sido feliz, afinal Salento se tornou uma das cidades mais charmosas que já conheci na Colômbia. Nem o grande número de turistas estrangeiros é capaz de diminuir seu encanto de cidade pequena perdida no tempo.

A Calle Real é o principal cartão postal do centro de Salento.
A Calle Real é o principal cartão postal do centro de Salento.

Como chegar às fincas produtoras de café

Quem quiser visitar de perto uma finca de café em Salento, pode facilmente fazê-lo por conta própria, sem agência. Para chegar até lá, existem três opções de transporte: contratar um dos jipes que abundam na praça central por 3.000 pesos colombianos, um cavalo por 25.000 ou ir a pé. Eu escolhi esta última opção.

Saindo do centro, percorri a distância de 5 km em 40 minutos na ida (uma leve descida) e teria levado talvez 1 hora para retornar, mas acabei conseguindo uma carona. O trajeto é muito simples: basta seguir a estrada da famosa ponte amarela. Qualquer morador lhe informará com gosto onde ela se localiza.

Finca Las Acácias

Por recomendação de um mochileiro que conheci na cidade, visitei a Finca Las Acácias. Trata-se da primeira fazenda a ser avistada na estrada que citei acima. Muito fácil de encontrar.

O tour dura 50 minutos e custa 8.000 pesos colombianos, incluindo um café de cortesia ao final (delicioso, diga-se de passagem).

Ao longo do passeio, o guia explicará como se dá todo o processo, desde a germinação das sementes até o consumo. Como a finca é familiar, tudo pode ser visto bastante didaticamente com um tour guiado pelos próprios proprietários.

Ao final do recorrido, os visitantes são convidados a moer o café que será servido instantes depois. Um pequeno prazer para os apreciadores do grão marrom.

Informações úteis

Como chegar: é possível chegar a Salento desde Armênia ou Pereira, ambas com conexões de ônibus diretos à Bogota, Cali e Medellín. Pereira conta também com um aeroporto regional com voos da Viva Colombia à capital colombiana.

Custo: hospedagens econômicas variam de 15.000 a 30.000 pesos colombianos; refeições básicas entre 8.500 e 15.000 pesos; o transporte em jipe compartilhado trabalha com preço único de 3.000 para distâncias no raio de até 10 km do centro da cidade (quem desejar pode contratar o jipe para um passeio privado ao custo máximo de 30.000 pesos).

Duração: como a maior atração do local é o café, vale a pena permanecer um mínimo de 2 dias. Quem gosta de caminhadas pode prolongar a estadia com um trekking no Vale de Cocora.

CompartilharShare on Facebook0Tweet about this on TwitterShare on Google+0Email this to someone

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *